Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Aurorar 4.0

Com sentimento, no ideário virtual de um percurso real.

Aurorar 4.0

Com sentimento, no ideário virtual de um percurso real.

O SA morreu

 

Não nutro qualquer preocupação com a possibilidade de morrer. A minha morte, pelo menos quando estou acordado, não me assusta. Já desejei morrer quando, acima de tudo, o que mais amava era a vida. Mas nunca reagi bem à notícia da morte daqueles que, de alguma forma, me são próximos, ou dos seus familiares. Fico pesaroso e, acima de tudo, sem palavras. O assunto, enquanto fresco, emudece-me, bloqueia-me, descoordena-me.

 

Quando o R telefonou para me informar sobre a morte do SA, fiquei prisioneiro de um breve instante de imobilidade, sem reacção. A ladainha continuava, na mesma cadência hesitante, trémula, emocionada e, por bem, lenta. R contava que, aparentemente, o SA se tinha suicidado. Assimilei, sempre em silêncio, que o SA se enforcara; estava a divorciar-se; foi encontrado ao terceiro dia.

 

No final da narrativa, sem a noção do tempo, por fim, quebrei a minha mudez e perguntei sobre a data de realização do funeral, que já decorrerá. Articulei as perguntas e as expressões mais ou menos habituais sobre sentimentos, circunstâncias, reacções, afectos. Formulei as perguntas usuais entre pessoas que não se vêem e não se falam há muito tempo. Agradeci o telefonema. Concordamos sobre a carência de um encontro, acordando-o sem o acordar, realizar-se-á um dia. Cumprimentos, abraços e desligamos. Pousei o telemóvel e fiquei imóvel, em silêncio, no silêncio possível de um início de dia.

 

Há mortes para além da morte física.

 

Componente

 

As lembranças, recordações, memórias, também mentem!

 

É capital, em todos os sentidos: deduzo os inconvenientes; gasto o aborrecimento, apenas. Retiro o componente. Perde-se a parte, num aparte que me interessa, mas não se perde o todo, enquanto, ao longe, muito distante, o “Irene” se arrasta e deixa as suas marcas. Não fico feliz por não ser aqui, por ser mais ou menos forte e deixo, por um longo momento, ocupar-me com a infelicidade alheia, por humanidade, num bom sentido. Dor! Atingiu, atinge e atingirá, até à extinção sem expectativas. Sincera e definitivamente, não partilho as suas alegrias, ainda que pudesse ser pior.

 

Contudo, impõe-se que prossiga. Avanço!

 

Por vezes

 

Por vezes é necessário partir. Por vezes é necessário regressar. Por vezes a necessidade e o necessário não procedem da vontade do próprio. Por vezes advêm uma grande alegria da necessidade e do necessário.

 

Urge e há tudo a fazer, quase tudo pode ser feito. Por vezes não podemos formar, apagar, parar, continuar ou recomeçar.

 

Acaricio a consciência. Renovo um ânimo. Removo um semblante carregado. Pinto um sorriso e umas palavras. Coloro. Por vezes há fantasia. Por vezes, por algumas vezes e sem erro, o somatório não corresponde ao resultado da soma de todas as parcelas. A totalidade tem caprichos e velocidades.

 

Aplauso. Louvor. Análise. Crítica. Censura. Por vezes um comentário é uma censura. Por vezes um elogio é uma censura. A censura tem um trajar variado, adopta e comporta várias formas e formulações. A censura contém várias máscaras e matizes. Dureza. Grau.

 

Proveniências intermédias. Existência. Vi-me no vão de escada, no patamar, no limiar da sacada. Não me encontrei. Por vezes ando por aí…

 

 

Seixo inopinado

 

 

Regresso. Desvio algumas pedras para passar. Abro a porta das traseiras e entro. Há, ainda, afectos genuínos espalhados pela casa. Alguns jazem no chão, quer derrubados pelas pedras que quebraram os vidros de duas janelas, quer pela simples mas eficaz acção do tempo. Não faltam os mortos.

 

Depois do silêncio, da ausência, o peso descomunal do semivazio, pedra de outra canteira. O reencontro solitário de um só num ermo enternecido e descorado. Sem raízes. Debruado. Os sonhos formam, simples e naturalmente, pó.

 

Limpo. Limpo! Demolho as metáforas. O pretérito, e o imperfeito, visíveis e invisíveis, ficam. Afago a alma.

 

Haja calma!

 

 

 

 {#emotions_dlg.meeting}

 

  

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2008
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2007
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2006
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D

bP